Quarta, 12 de agosto de 2020 hh:mm:ss

A reabertura do comércio no conceito de um novo normal

Drª Lívia Bezerra diz que “A readaptação social faz parte de um novo padrão com o intuito de garantir a sobrevivência e afastar o medo”.

Publicado em 12 de julho de 2020 às 22:37
Atualizado há 1 mês

       A responsabilidade na reabertura do comércio exige um repensar com o objetivo de se ajustar as novas exigências sanitárias que o momento atual requer.  O desafio de se adequar ao novo normal será um exercício contínuo que acarretará soluções diferenciadas no tempo.

       A readaptação social faz parte de um novo padrão com o intuito de garantir a sobrevivência e afastar o medo que impôs a “necessária” prisão domiciliar.

       O empregador deverá tomar as devidas precauções para evitar que o seu colaborador possa se expor ao vírus, adaptar o espaço físico a fim de impedir aglomerações ou situações de risco ao contágio. O empregado deverá colaborar e seguir as regras impostas, sob pena, inclusive, de demissão por justa causa.

       Por outro lado, o comportamento doloso ou de culpa grave dos consumidores, pela não obediência às regras sanitárias e com possíveis danos que possam causar a um indivíduo ou a coletividade, poderá acarretar responsabilidade penal ou civil por eventual exposição ou facilitação ao risco de contágio.   

       Sendo assim, a vida, o comércio e a economia estão desafiados e a função preventiva de danos é dever e responsabilidade da SOCIEDADE com o propósito de combater condutas lesivas e proteger a vida.

Voltar ao topo