Voltar ao topo

FLÁVIO J JARDIM - NOTÍCIA VERDADE

Coluna da Sexta-Feira. Airton Monteiro. LIÇÕES DE TRAPÉZIO

Coluna da Sexta-Feira. Airton Monteiro. LIÇÕES DE TRAPÉZIO
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Linked In
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Twitter

Coluna da Sexta-Feira. Airton Monteiro. LIÇÕES DE TRAPÉZIO. Você sente um frio cortante subindo-lhe a espinha e gotas de suor começam a surgir em sua fronte...

Coluna da Sexta-Feira. Airton Monteiro. LIÇÕES DE TRAPÉZIO

Coluna da Sexta-Feira. Airton Monteiro. LIÇÕES DE TRAPÉZIO

Coluna da Sexta-Feira. Airton Monteiro. LIÇÕES DE TRAPÉZIO

Aqui, do alto, você pode perceber os olhares fixos e a respiração suspensa do distinto publica.

Pensando bem, há um silencio ensurdecedor, em toda a sua volta. Até as feras estão silenciosas. As bailarinas retornaram a seus camarins e até os palhaços transformaram seus risos, em semblantes sisudos. 

Lá em baixo, de onde foi retirada a rede de proteção, para dar mais realismo ao espetáculo, tudo lhe parece distante e pequeno.

 

Na outra extremidade está seu parceiro, companheiro de todos os exercícios e de várias jornadas. Parece que está a quilômetros de distância. Apenas um perfil esguio e branco como você mesmo.

 

Você pode relembrar agora, cada segundo de sua preparação para este momento. Os medos, as angústias, as vitórias. Tantas esperanças e receios. Tantas dores e dúvidas.  Mas chegou a hora da estreia!

 

Você aprendeu a trabalhar e dominar cada um dos seus músculos.

Pequenas engrenagens concatenadas sob a direção do seu cérebro.

Aprendeu a calcular tempo e espaço, em frações de segundo; a fixar-se no trapézio e a confiar no parceiro, no movimento sincronizado do espetáculo.

Mais do que seu sucesso, você sabe, sua vida depende disso.

Agora chegou o grande momento! O rufar dos tambores e a voz do mestre de cerimônia (- “Respeitável Público!”) fazem seu sangue correr com mais intensidade em suas veias, um aperto no coração!

Você sente um frio cortante subindo-lhe a espinha e gotas de suor começam a surgir em sua fronte...

É preciso controlar a respiração, acomodar cada músculo à tensão necessária, para o salto.

 

Cada um em seu trapézio voará sobre o picadeiro, num movimento que, para todos, parecerá suave. Você ficará de pé, saudará o público. (“Ave Caesar! Morituri te Salutant” * como na antiga Roma) e ouvirá as palmas, os gritos e as emoções. Dará um salto duplo e retornará à plataforma! Mas isso foi apenas uma apresentação.

(* “Salve Ó Cesar! Os que vão morrer te saúdam”)

 

Novamente, você e seu parceiro ficarão frente a frente. Seus olhares se cruzam. A vida de cada um depende do outro.

De nada terá adiantado qualquer treinamento se nessa hora faltar a confiança. Se houver qualquer dúvida.

 

Todos os músculos serão inúteis se o espírito e a mente não os conduzirem.

 

Você se lançará sobre o picadeiro e soltará o trapézio.

Impulsionará seu corpo e, por duas vezes, girará sobre si mesmo em dois saltos mortais.

 

Ao completar a segunda volta, o trapézio de seu parceiro deverá estar à altura de suas mãos, da mesma forma que o seu estará à altura das dele.

Com um impulso, você estará na plataforma que agora estava à sua frente!

 

Se você adiantar-se um segundo sequer, quando estender os braços, o trapézio ainda não estará ali, ao alcance de suas mãos; se atrasar apenas um segundo, ele já estará de volta.

 

Sintonize-se com seu companheiro.

 

Não olhe para baixo, pois não é ali que está seu objetivo.

 

Fixe o ponto aonde quer chegar.

 

Não jogue seu corpo sobre o abismo, pois ele fatalmente cairá e não haverá ninguém para sustentá-lo.

 

Jogue seu coração, sua mente, seu espírito, sua vontade para a outra plataforma.

 

Seu corpo será carregado por essa força tremenda que está dentro de você mesmo.

 

Se você fizer assim, cada músculo obedecerá a seu comando, seu corpo parecerá uma pluma e quando você completar o segundo salto, o trapézio estará em suas mãos como se delas nunca se tivesse apartado.

 

Você fixará seus pés sobre a plataforma e ouvirá, realizado, os aplausos do distinto público, o riso das crianças e o som alegre da fanfarra.

 

O que faz a alegria do circo: As lições de trapézio.

Coluna da Sexta-Feira. Airton Monteiro. LIÇÕES DE TRAPÉZIO

 

Publicado por
em

Deixe seu comentário Sua opinião é muito importante!

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Linked In
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Twitter

Veja Também:

Artigos Relacionados