Voltar ao topo

FLÁVIO J JARDIM - NOTÍCIA VERDADE

Fenômenos eucarísticos inexplicáveis

Fenômenos eucarísticos inexplicáveis
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Linked In
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Twitter

Fenômenos eucarísticos inexplicáveis. A seguir algumas das dúzias de relatos de milagres Eucarísticos do passado:

Fenômenos eucarísticos inexplicáveis

Veritatis Splendor

 

Relatos de “hóstias que sangram”, hóstias que parecem levitar no ar por si mesmas e outros fenômenos inexplicáveis são registrados esporadicamente no seio da Igreja Católica, começando aproximadamente em 250 DC, nos escritos de São Cipriano. Ele escreveu que um dos apóstatas que viveram em seu tempo, ao tentar “abrir o tabernáculo no qual o corpo do Senhor era preservado, viu chamas que se projetavam para fora”. Reproduzimos a seguir algumas das dúzias de relatos de milagres Eucarísticos do passado:

Lanciano, Itália

No séc. VIII, na Itália, na aldeia hoje conhecida como Lanciano, havia um mosteiro chamado St. Longinus. Um monge que vinha entretendo dúvidas sobre a real presença de Jesus na Eucaristia estava celebrando Missa no mosteiro. Enquanto consagrava, pedia a Deus com humildade que o esclarecesse. Ao dizer as palavras da consagração, viu a Hóstia mudar-se num círculo de “carne” em torno do “pão” do centro, e o vinho transformar-se em sangue “visível”. A “carne” permaneceu intacta, mas o “sangue” dividiu-se subsequentemente em cinco coágulos separados. O monge foi revigorado em sua fé ao testemunhar tal transformação. Mais tarde, ele decidiu pesar os “coágulos de sangue” e concluiu, para seu assombro, que qualquer combinação dos coágulos era igual em peso a qualquer outra combinação e que o coágulo menor pesava exatamente o mesmo que o maior – desafiando qualquer explicação natural. Foram mantidos a “carne” e “sangue” em recipientes especiais, alojados desde então no mosteiro, sob a guarda dos monges e seus sucessores. Uma avaliação moderna desta “carne” e “sangue”, levada a cabo por vários professores universitários italianos em 1970, sob condições rigorosas, concluiu o seguinte:

– O recipiente onde se guardou a “carne” não foi lacrado hermeticamente, de forma que a Hóstia Eucarística que remanescera ao centro da “carne” desapareceu. Os “coágulos de sangue” haviam endurecido e nenhuma diferença de peso incomum era notável.

– Foram retiradas amostras da “carne” e “sangue” e enviadas a vários laboratórios para análise microscópica, bioquímica e outras avaliações científicas.

– A “carne” foi qualificada como tecido muscular estriado do Miocárdio (a parede do coração) humano, sem nenhum traço de qualquer substância conservante. Era realmente Carne!

– A “amostra de sangue” demonstrou ser sangue humano, tipo AB, verdadeiramente Sangue!. A carne também era do mesmo tipo sanguíneo. As proteínas achadas na amostra de sangue eram consistentes com proteínas achadas em sangue humano fresco.

– Apesar do fato do recipiente onde se guardaram a carne e sangue Eucarísticos não ter sido hermeticamente lacrado, as amostras estavam intactas, não danificadas, similares às colhidas frescas. Assim, por mais de 1.200 anos a realidade física da real presença de Jesus na Eucaristia foi preservada, a fim de que todos possam observá-la e renovar sua fé.

Encontram-se mais de duas dúzias de relatórios documentados de milagres Eucarísticos semelhantes, acontecidos na Europa entre os sécs. X e XV, e dúzias mais desde então, muitos deles havendo preservado a carne e o sangue Eucarísticos como prova em recipientes especiais, onde ainda hoje podem ser contemplados.

Bolzano, Itália

Em 1263, Pedro de Praga, o padre alemão, estava celebrando Missa na Igreja de São Chrisitan em Bolzano. Ele vinha entretendo sérias dúvidas sobre a realidade da presença de Cristo na Hóstia consagrada. Assim que ele completou as palavras da Consagração, o Sangue começou a escorrer da Hóstia Consagrada e correr por suas mãos abaixo, sobre o altar e sobre o linho (corporal). Vendo isto, ele interrompeu a Missa e viajou depressa a Orvieto onde o Papa Urbano IV residia. Ao ouvir a história dele, o Papa o perdoou por ter dúvidas e enviou os representantes a Bolzano, para investigarem. Paroquianos e outras testemunhas confirmaram a história do padre; e a Hóstia e os linhos manchados estavam lá para todos verem. A investigação confirmou tudo aquilo que o padre havia relatado. Um ano depois, em agosto 1.264, o Papa Urbano instituiu a Festa de Corpus Christi (Corpo de Cristo).

Stich, Alemanha

Na região Bávara da Alemanha, junto à fronteira suíça, há três povoados, o menos dos quais é Stich. Na noite de 9 de junho de 1970, enquanto um padre visitante da Suíça estava celebrando uma Missa Tridentina (Missa em latim, celebrada sob a rubrica do Conselho de Trento) numa capela, uma série incomum de eventos aconteceu. Depois da Consagração, o celebrante notou que uma pequena mancha avermelhada começou a aparecer no corporal, no lugar onde o cálice tinha estado descansando. Desejando saber se o cálice tinha começado a vazar, o padre correu a mão dele debaixo do cálice, mas achou-o completamente seco. A esta altura, a mancha crescera, atingindo o tamanho de uma moeda de dez centavos. Depois de completar a Missa, o padre inspecionou todo o altar, mas não conseguiu encontrar qualquer coisa que pudesse ser remotamente a fonte da mancha avermelhada. Ele trancou o corporal que apresentava a mancha num local seguro, até que pudesse discutir o assunto com o pároco.

A 11 de junho, depois de examinar o corporal com o pároco, o pano foi fotografado e enviado ao Instituto Clínico de Terapia Radial e Medicina Nuclear e para o instituto Policlínico da Universidade de Zurique, para análise química. Os resultados de quatro análises separadas administradas nas amostras de pano indicam a mancha é causada por sangue humano contendo indicadores bioquímicos de um homem em agonia.

A 14 de Julho o fenômeno repetiu-se na capela de Stich, aparecendo quatro manchas no corporal depois da Consagração. Vários dias depois, o pastor enviou o corporal com as manchas para o Hospital Distrital de Cercee para análise – os resultados: as manchas eram sangue humano!! Uma das testemunhas deste evento, Joseph Talscher, o sacristão da capela, relatou o seguinte:

“Na noite de 14 de julho, o padre estava celebrando a Santa Missa na capela de Stich. Em vista do que havia acontecido em 9 de junho, nós nos certificamos de que os panos que cobrem o altar estavam absolutamente imaculados …após haver tomado a Santa Comunhão, o padre fez um sinal para mim e apontou para o altar. Então eu vi as manchas. Depois da Missa, todos nós examinamos mais de perto as manchas, e mais especialmente a maior, que era do tamanho da Hóstia que o Padre consagra. Ali distinguimos muito distintamente uma cruz”.

 

Fenômenos Eucarísticos dos anos 1990

 

Há várias explicações alternativas para hóstias de Comunhão que assumem cor avermelhada. A mais comum é a presença da bactéria Marcescens de Serratia, a qual cresce prontamente em comestíveis à base de amido e imprime uma coloração avermelhada, sanguinolenta, à inspeção visual ordinária. Parece substancialmente diferente debaixo de exame microscópico e pode ser facilmente distinguida do sangue humano. Sem testes específicos, é difícil apenas a olho nu determinar-se se trata de sangue humano ou da presença da bactéria. Depois de eliminarem-se os fenômenos Eucarísticos que poderiam ser atribuídos à presença dessas bactérias, ainda restam vários relatórios de fenômenos Eucarísticos que merecem atenção do mundo inteiro nos anos 1990 – um número nunca antes testemunhado em tão pouco tempo na história da Igreja. O mais conhecido desses é o seguinte:

Betânia, Venezuela

Um evento inexplicável aconteceu em Betânia, Venezuela – local de uma série notável de Aparições Marianas – na vigília da Festa da Imaculada Conceição, em 1991, o Pe. Otty Ossa, capelão de Betânia, local e diretor espiritual da vidente mariana Maria Esperanza Bianchini, estava rezando Missa na capela ao ar livre próxima à gruta das aparições, quando a Hóstia começou a sangrar nas mãos dele depois da consagração. Pe. Otty explicou:

“Eu parti a Hóstia em quatro partes. Quando eu olhei para a patena, eu não pude acreditar nos meus olhos. Vi uma mancha vermelha formar-se na Hóstia e vi uma substância vermelha minar dela, semelhante ao modo como o sangue mina de uma ferida”.

Este evento foi registrado em videotape, fotografado e sujeito a intensa avaliação pelo Episcopado local. O exame determinou tratar-se de sangue humano.

Worcester, Massachusetts

Foi o local de uma série de eventos inexplicáveis que cercam uma menina de doze anos que teve seu cérebro danificado por um acidente sofrido na piscina, quando ela tinha 3 anos. Impossibilitada de caminhar ou falar, a menina, Audrey Santo, tornou-se o foco de um número crescente de experiências místicas católicas. Durante os últimos nove anos, a única comida sólida que ela ingeriu foi a Santa Comunhão, que ela recebe diariamente. Vários anos atrás, o Bispo local permitira manter o Santo Sacramento num tabernáculo no quarto de Audrey. Em várias diferentes ocasiões, os dois anjos gravados a ouro na porta do tabernáculo exsudaram óleo fragrante. O óleo foi examinado por vários laboratórios químicos diferentes, mas sua composição e origem ainda são desconhecidas. Estátuas religiosas e quadros no quarto de Audrey exsudam óleo e às vezes sangue …como nas aparições de Marianas em Damasco, Síria.

Em três ocasiões, a Hóstia Consagrada retirada do tabernáculo gotejou um fluido avermelhado. O fluido foi examinado por um laboratório de análises independente e confirmado como sangue humano. Na sexta-feira Santa de 1996, o tabernáculo no quarto de Audrey começou a sangrar. A própria Audrey apresenta agora os estigmas – as feridas visíveis de Jesus. Visitantes ao quarto dela experimentaram curas inexplicáveis e conversões espirituais. Pelo menos três das enfermeiras de Audrey que não eram católicas quando começaram a cuidar dela, converteram-se ao Catolicismo.

No caso de Audrey, Deus escolheu uma pequena menina severamente ferida para ser um dos mensageiros dele para o mundo. Ele lhe deu manifestações múltiplas do Seu amor e cuidado para com ela e para com cada um de nós. Ele quer que nós saibamos que é Ele quem vem a nós na Eucaristia ... é Ele que nos quer com Ele por toda a eternidade.

Marlboro, Nova Jersey

Foi o local de aparições Marianas presumíveis durante quase dez anos. 10 de abril de 1994, Festa da Misericórdia Divina. O Pe. Robert Rooney, diretor espiritual da vidente, estava celebrando uma Missa matutina em Yardville perto de Nova Jersey, na Igreja de S. Vicente de Paulo. Quando ele elevou a Hóstia e proferiu as palavras da Consagração, sangue fluiu da Eucaristia. Os coroinhas presentes e vários paroquianos viram isto acontecer e o Pe. Rooney ficou compreensivelmente abalado pelo sangramento da Hóstia. Após haver mostrado a Hóstia ao pároco, ficou decidido que a Hóstia deveria ser guardada no tabernáculo até que a cabeça do episcopado local, o Bispo Reiss, pudesse decidir que ação deveria ser tomada. Vários dias depois, o Bispo decidiu não investigar o fenômeno e o Pe. Rooney entregou a Hóstia ao seu diretor espiritual, Gere Valenta.

O Pe. Valenta fez fotografar a Hóstia e então fê-la examinar por dois doutores médicos, que usaram técnicas não-invasivas de análise microscópica. Técnicas não-invasivas tinham que ser usadas, já que a aprovação de um bispo é requerida para qualquer exame invasivo. Os cientistas declararam:

“Não há nenhuma explicação científica. O material vermelho veio de dentro da Hóstia e tem características de sangue humano; a Igreja tem que decidir sobre se houve milagre”.

A 6 de junho de 1994, Festa de Corpus Christi, o Pe. Rooney declarou que a Santa Virgem lhe apareceu, em sua primeira e única aparição a ele, em sua sala de jantar, e lhe falou que o Filho dela tinha lhe enviado um presente – o presente da Hóstia que sangrava – e que de então em diante o diretor espiritual dele se encarregaria de tudo. O Pe. Rooney morreu seis semanas mais tarde, em 16 de julho de 1996 – Festa de Nossa Senhora do Monte Carmelo. O Pe. Valenta entregou a Hóstia sangrenta ao Bispo Reiss da Diocese de Trenton, onde ainda reside.

Methuen, Massachusetts

Foi o local de outro fenômeno Eucarístico inexplicável, em 1995. Preparando-se para a distribuição da Comunhão, um ministro da Eucaristia da igreja Católica de Nossa Senhora do Monte Carmelo, descobriu ao abrir o tabernáculo, uma Hóstia Consagrada que sangra. A Hóstia foi guardada num recipiente, aparentemente ainda sangrando, e ali guardada para exames subsequentes. À parte várias testemunhas, a Hóstia mesma foi enviada ao Dr. B. Lipinski, um bioquímico, para exames não-invasivos. Ele averiguou que a substância avermelhada era sangue humano. Uma pequena amostra da crosta de sangue foi enviada ao Laboratório de Ciências forenses da Califórnia. Depois que vários testes preliminares confirmaram a presença de sangue, a 30 de agosto de 1995, um teste cruzado de eletroforese foi administrado na amostra, identificando inequivocamente a substância avermelhada como sangue humano. O bispo local está presentemente avaliando todas as circunstâncias que cercam o aparecimento deste sangue.

Roma, Itália

Foi recentemente local de relatos de fenômenos inexplicáveis relacionados à Eucaristia. Desde 1971, uma vidente Mariana italiana, Marisa Rossi, tem presumivelmente recebido locuções e sinais de Nossa Senhora, que pede para a humanidade mudar seu comportamento e voltar a Deus – particularmente na Eucaristia. Estas aparições mudaram de caráter em meados dos anos 90, quando Marisa tomou parte num evento Eucarístico inexplicável.

14 de setembro de 1995 – Festa da Exaltação da Santa Cruz. Depois de rezar na capela, Marisa que anda em cadeira de rodas, permaneceu e beijou o crucifixo que Dom Claudio Gatti tinha removido do altar em preparação a uma procissão. Marisa disse que ela viu uma Hóstia emergir do lado do corpo na cruz e pousar na mão dela. Muitos ao redor dela notaram a Hóstia, que não estava lá momentos antes. Outro evento Eucarísticos aparentemente inexplicável ocorreu em abril de 1996, quando Marisa foi fotografada no momento em que de repente uma Hóstia aparece nas mãos estendidas dela, durante uma aparição presumível de Nossa Senhora.

Barbeau, Michigan

Pode ter sido o local de um evento Eucarístico inexplicável 4 de fevereiro de 1996. Durante Missa na igreja da Sagrada Família, um inexperiente ministro da Eucaristia deixou cair uma Hóstia consagrada sobre uma patena (espécie de prato usado para aparar partículas da Hóstia consagrada). Acreditando que esta Hóstia deveria ser colocada numa xícara de ablução, o ministro informou ao padre do fato, apesar de que a Hóstia não tinha tocado nem o solo nem qualquer pessoa. A Hóstia permaneceu na xícara durante uma semana, porque o tempo inclemente impediu a celebração de Missas durante a semana. No domingo seguinte, 11 de fevereiro, uma coloração vermelha do tamanho de uma moeda de dez centavos foi observada na superfície da Hóstia. A Hóstia que tinha estado imersa em água para que se dissolvesse, estava embebida de água, mas a despeito disso, reteve sua forma. O bispo local, que foi notificado desses acontecimentos por telefone, sugeriu ao pároco, o Pe. Mark A. McQuesten, que a coloração provavelmente era devida a um fungo que estaria se desenvolvendo na Hóstia e que ela deveria ser disposta da maneira aprovada. O padre continuou mostrando a Hóstia para os paroquianos dele e ela foi fotografada. A mídia local noticiou a história algumas semanas depois e após outro telefonema do Bispo, o Pe. McQuesten tocou finalmente pela primeira vez na Hóstia, a 26 de fevereiro. Ele planejava dispor da Hóstia da maneira prescrita pela Igreja. Porém, ele declarou que quando a tocou, sentiu-a como carne, que ele teve de rasgá-la, apresentando ela uma resistência incompatível com o que se poderia esperar de um pedaço de pão não-levedado encharcado de água. Durante todo esse tempo, a Hóstia jamais perdeu sua forma ou deixou de exibir a coloração vermelha que adquirira mais de um mês antes.

Estes são só alguns dos muitos relatos de fenômenos Eucarísticos inexplicáveis ocorrendo presentemente mundo afora e sendo avaliados por autoridades episcopais e médicas. Esta proliferação de fenômenos Eucarísticos, se comprovada, é sem precedente na História da Igreja católica. A combinação do desdobramento das aparições Marianas e esta exibição assombrosa de amor Eucarístico parecem estar preparando o período mais notável conversão de fé na História moderna. Parece que a profecia de S. João Bosco será cumprida dentro dos próximos três anos!! Rezemos para que o mundo não continue combatendo o aparecimento do amor sobrenatural de Deus em nossa vida diária – porque essa é uma batalha que o mundo seguramente perderá!

Fonte: Veritatis Splendor

Publicado por
em
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Linked In
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Twitter

Veja Também:

Artigos Relacionados

Deixe seu comentário Sua opinião é muito importante!