Voltar ao topo

FLÁVIO J JARDIM - NOTÍCIA VERDADE

Show de Luzes e Cores na véspera do Ano Novo!

Show de Luzes e Cores na véspera do Ano Novo!
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Linked In
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Twitter

SHOW DE LUZES E CORES NA VÉSPERA DO ANO NOVO! Airton Monteiro

Show de Luzes e Cores na véspera do Ano Novo!

Show de Luzes e Cores na véspera do Ano Novo!

Já faz um bocado de tempo que a gente mexe com computador.

Primeiro foram aqueles gigantes, principalmente da IBM, mas existia também a Burroughs. Pesavam uma tonelada ou mais.

Lembra das maquinas leitoras de cartão? A primeira que eu vi, foi no Grupo Itaú. Fui fazer um estágio para assumir a Gerencia administrativa e financeira da Companhia Seguradora Brasileira, recém adquirida pelo grupo, e meu tutor de estágio foi o próprio Dr. Olavo, (Setúbal) Presidente do Grupo. Ele foi me mostrar pessoalmente as engrenagens cibernéticas do grupo, onde as contas de todos seus clientes, no Brasil inteiro, eram processadas. Foi uma experiência fascinante.

Depois, já em 77, entrei para o Centro de Tecnologia de Pernambuco, CETEPE, para criar a área de RH e me deparei com as imensas maquinas de moer carne, como dizia Dr. Arnaldo Barbalho, e passei, mesmo sem querer, a conviver mais de perto com aqueles monstros de sabedoria. Naquele tempo, ainda não se temia os resultados dos seus trabalhos, mas as famosas listagens, listradinhas, feito pijama, enchiam os birôs dos gerentes, com aquele montão de dados a analisar. Logo descobri que pouquíssimos passavam a vista naquilo tudo, que tinha dado tanto trabalho para compor e imprimir. Terminavam servindo de bloco de rascunho.

Depois surgiram os PCs. Não tinha nada a ver com PC Farias do Collor, eram os computadores pessoais! Lembram? Sistema OS/DOS naquela tela preta que só os altamente iniciados podiam arrancar alguma coisa. Os computadores Cobra dos anos 80. Lembram?

Naquele tempo começou-se a difundir que o computador iria acabar com o papel. Ainda hoje estou esperando! Parece que, ao contrário, ele tem uma capacidade louca de gerar papel e mais papel.

E, de repente, não mais que de repente, surgiu o Windows e realmente abriu-se uma janela para o mundo.

Que maravilha! Todos podíamos usar os Computadores pessoais. Escrever, fazer gráficos, apareceu um tal de Power Point, que nos tirou, nós palestrantes, da idade das transparências, folhas de plástico onde escrevíamos e desenhávamos, e nos elevou ao patamar de, a um toque de dedo, - por isso a era digital - as imagens apareciam na tela como por milagre. E nós ficávamos com mais tempo e braços livres para falar do futuro!

Já não precisávamos mais de retroprojetor. Era tudo ligado ao computador. Surgiu o projetor de multimídia! A gente estava vivendo o fim do século XX e afora as profecias de fim do mundo, apareceu o celular, pesado como um tijolo, redondo como um tamanco e com um carregador incomodo. – tá vendo que isso num vai dar certo! – Deu!

Lá pelos idos de 1989, 1990, surgiram uns boatos de uma grande novidade, a internet. Do boato para a realidade, foi um piscar de olhos. E nossa vida virou de cabeça pra baixo! Em 2004, já no século em que o mundo deveria ter acabado, houve o lançamento do Orkut, a rede social da Google. Lembra? Foi o primeiro fenômeno de massa da internet no Brasil. Pronto. Agora a gente podia morrer em paz; Não faltava mais nada pra acontecer!

Daí, em diante as coisas não mais aconteceram. Elas explodiram em cima da gente, como fogos de artificio em véspera de Ano Novo! É uma coisa sobre a outra, cada uma mais amostrada e metida a besta. Não dá tempo nem de compreender uma e já surge outra mais brilhante, mais colorida, mais barulhenta!

Antigamente, como é antiquada essa palavra! A gente era chamada com muito orgulho, de Analista de Sistemas, Programadores, Operadores! Tudo perdeu o sentido. Inventaram novos títulos, mais apropriados aos novos tempos: Analista de TI (Tecnologia da Informação, pra quem não é do ramo), depois, acrescentaram um “C” de Comunicação: Analista de TIC! Parece que não pegou.

Agora, com o perdão da TI, parece que TI ou TIC já deram o que tinham de dar. A IA ou AI, - inteligência artificial - está chegando com mais cores e mais brilho e olha que está só no comecinho. Internet das coisas, aprendizado de maquinas, computação cognitiva.

Esse negócio de corretor ortográfico está ficando superado, vem aí o corretor de ideias: citações erradas, conceitos ilógicos, e outras cositas mais, serão imediatamente corrigidas. – Estão lembrados do Watson, na área do Direito? - Aprendizado de línguas será uma obtusidade. E não serão aqueles aparelhinhos recém lançados que resolverão esse problema. Maquinas inteligentes ouvirão nossa voz, interpretarão nossos desejos, corrigirão nossas falhas e repassarão nossas ideias, para o papel, para as redes sociais, para os ouvidos dos interessados, onde quer que estejam, em que língua entendam ou que nível cultural tenham.

E nós, antigos analistas de sistemas, programadores ou analistas de TIC, como seremos chamados? – Se é que alguém ainda vai nos chamar?! – Analistas de Inteligência? Mas isso é a função do Psicólogo!  Gestores de Aprendizado de Maquinas? Seria mais função dos Pedagogos, não acham?

Pois é. Será que estamos nos preparando apropriadamente para apreciar o show de luzes do Ano Novo? Tomar pra elas. Voilá!

 

Publicado por
em

Deixe seu comentário Sua opinião é muito importante!

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Linked In
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Twitter

Veja Também:

Artigos Relacionados