Voltar ao topo

FLÁVIO J JARDIM - NOTÍCIA VERDADE

Ville Radieuse I

Ville Radieuse I
  • Compartilhe
  • Compartilhar no Linked In
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Twitter

Ville Radieuse I. A Samsung encomendou um relatório sobre o futuro do nosso planeta, nos próximos 100 anos.

Ville Radieuse I

Ville Radieuse I

O resultado foi O “Smart Things Future Living Report.” publicado em 2016, há apenas três anos e que reúne previsões de como viveremos no futuro e como as cidades se transformarão nos próximos 100 anos. Será que são coisas inteligentes mesmo? Oxalá esteja errado!

Juntem-se a esses resultados, as afirmações do Fundo de População das Nações Unidas, que, até 2050 afirma que a população mundial deve aumentar em mais de 2,2 bilhões de pessoas. E, ainda, que a população urbana deve crescer de forma exponencial. Acredita-se que mais de 60% da população global viverá em áreas urbanas, nos próximos 10 anos. Ou seja, teremos mais gente morando em megacidades e nossos campos estarão entregues às moscas e às máquinas.

Uma das previsões do Smart Things é que os super arranha-céus farão parte da nossa paisagem nos próximos 100 anos. Prédios com mais de 1.500 metros de altura, cidades subaquáticas, ilhas artificiais e possibilidades de morarmos na Lua ou em Marte. Isso me lembra a ideia de um dos maiores urbanistas do século passado, lá década de 1920, 100 anos atrás, portanto! O urbanista famoso era Le Corbusier. Ele descreve uma de suas ideias, de forma quase teatral: “Nosso carro veloz toma a rodovia elevada especial, entre os majestosos arranha-céus; ao chegar mais perto, vemos contra o céu a sucessão de vinte e quatro arranha-céus; à esquerda e à direita, no entorno de cada área específica, ficam os edifícios municipais e administrativos; e circundando esse espaço, os prédios universitários e os museus. A cidade inteira é um Parque." Na cidade vertical de Le Corbusier, a Ville Radieuse, como ele a denominou, a massa da população seria alojada a uma taxa de 296 habitantes por mil metros quadrados, uma densidade urbana insuportável, mas, que, em virtude das construções, para não dizer pardieiros, serem muito altas, 95 por cento do solo permaneceriam livres. Os arranha-céus ocupariam apenas cinco por cento do solo. Não se fala aqui onde vão guardar seus carros e despejar seus esgotos e dejetos. Quem conhece Recife e outras grandes cidades brasileiras já sabe que isso não tem qualquer importância. Afinal, o que é público, é de ninguém! As pessoas de alta renda ficariam nas moradias mais baixas e luxuosas, (sempre eles. Se altura fosse coisa boa eles iriam para as coberturas), ao redor de pátios, com 85 por cento de área livre. Aqui e acolá haveria restaurantes e teatros. Radioso, radiante!

O relatório da Samsung cita ainda que “nossas vidas profissionais serão transformadas com o uso de hologramas, que nos permitirão participar de reuniões virtualmente, sem deixar o conforto de nossas casas”. (Que conforto? Numa gaiola de passarinho a 1.500 metros do chão?), mas antes disso tudo, precisamos resolver uma questão comportamental: a adesão ao Home Office como plataforma de trabalho. Segundo artigo publicado na Harvard Business Review, o trabalho remoto – onde você pode trabalhar a partir de qualquer lugar, não necessariamente de casa – pode aumentar 4.4% a produtividade no trabalho. Se toparem, claro!

Com base nessa “coisa inteligente” do relatório encomendado pela Samsung, eu me pergunto:

O que vamos fazer com o resto dos nossos dias e com os dias de nossos filhos e netos? A gente vai continuar esperando que a parte “dita inteligente” da humanidade continue fazendo esses relatórios e indicando as soluções para nós cumprirmos?

Será que, com tanta tecnologia, já não está em tempo de prepararmos para nós mesmos uma vida melhor? Por aqui na velha terrinha? Tudo que a gente conhece e gosta está aqui. Jabuticaba, abacaxi e manga. Nossa família, nossos amigos e inimigos, bem quereres e mal quereres, nossos ancestrais, nossos heróis, nossos mitos, nossos bandidos. Foi aqui que plantamos nossas árvores, colhemos nossos frutos e regamos nossas flores. E enterramos nossos entes queridos. Fazer o que na lua ou em Marte? Ou numa cidade no fundo mar? Aqui caberemos todos, se soubermos aplicar tudo que aprendemos até hoje, para sobreviver! Para conter o excesso de nascimentos, aliás cada vez mais provável com os novos tipos de casamento e para produzirmos o que comer. Melhor ficarmos aqui mesmo. Mesmo fazendo dieta!

E antes de concluir a leitura de hoje, imagine o nível de stress dessas pessoas, engaioladas nas alturas, com o ifood entregando encomenda de refeição com drone, no milionésimo quinquagésimo andar. Imagine o nível de felicidade desses passarinhos engaiolados. Se ainda existir família, o que duvido muito, como acomodar e conviver, um casal com filhos? Pra onde ir quando não tiver o que fazer?

Bem Vindos à Vila Radiosa ou Radiante de Le Corbusier, tornada realidade futura, pelo relatório das coisas inteligentes da Samsung.

Ville Radieuse I

 

Publicado por
em

Deixe seu comentário Sua opinião é muito importante!

  • Compartilhe
  • Compartilhar no Linked In
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no WhatsApp
  • Compartilhar no Twitter

Veja Também:

Artigos Relacionados