Sexta, 18 de setembro de 2020 hh:mm:ss

BANCO DO BRASIL, CAIXA, ITAÚ UNIBANCO, BRADESCO E SANTANDER VÃO ADIAR DÍVIDAS DE CONSIGNADOS DOS APOSENTADOS.

A cobrança do empréstimo consignado será suspensa por 4 meses. Portanto, os bancos serão obrigados a pausar a cobrança e prorrogar as dívidas dos clientes desta modalidade.

Publicado em 26 de abril de 2020 às 18:12
Atualizado há 5 meses

          Com a proposta, os mais afetados financeiramente pela atual crise, como é o caso dos beneficiários do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), poderão contar com mais este apoio. Outros projetos com o mesmo objetivo também estão em tramitação no Senado.

       Os bancos colocaram em prática novas regras para clientes que estão com pouco dinheiro após as restrições determinadas pelo governo para conter o coronavírus. Isso porque algumas restrições acabaram realmente afetando a vida financeira de famílias e empresas.

       Entre as novas condições, Banco do Brasil, Caixa, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander afirmam que vão prorrogar pagamento de dívidas sem a cobrança multas.

       Essas medidas foram tomadas depois que o Banco Central liberou R$ 56 bilhões que os bancos são obrigados a deixar separados, como colchão de segurança. Dessa forma, as instituições financeiras puderam aumentar as linhas de crédito sem custo extra para elas. Porém, nem tudo são flores.

Decisão da Justiça do DF vale por 4 meses e atende a pedido de advogado. Juiz entendeu que medida faz com que idosos não precisem sair de casa em meio à pandemia.

       A Justiça Federal do Distrito Federal determinou aos bancos que suspendam a cobrança de parcelas de empréstimos concedidos a aposentados. Pela decisão, as instituições também não poderão cobrar juros ou multas. O magistrado atendeu a um pedido feito em ação popular apresentada pelo advogado Márcio Casado.

       Os idosos estão entre os grupos mais vulneráveis ao covid-19 e, no entendimento do juiz Renato Borelli, da 9ª Vara Federal Cível, a medida fará com que os idosos não precisem sair de casa e, assim, não se exponham a riscos.

       “É medida necessária para garantir que os idosos, atingidos em maior número por consequências fatais da Covid-19, possam arcar com o custeio do tratamento médico necessário”, ressaltou o juiz, em sua sentença.

Voltar ao topo