Terça, 27 de outubro de 2020 hh:mm:ss

Wagner Cordeiro, a ópera e a presidência da Câmara de Pesqueira

A trajetória política do vereador Wagner Cordeiro tem três atos relevantes

Publicado em 16 de setembro de 2020 às 11:16
Atualizado há 1 mês

       A principal ópera do compositor, músico e ensaísta alemão Wagner, Tristão e Isolda, tem três atos. Assim também como a trajetória política do atual presidente da Câmara, Wagner Cordeiro, que preferiu o autoexílio e não será candidato nas eleições de 2020.

       O nosso Wagner Cordeiro tinha até a convenção do Republicanos (no último domingo, 13) para reafirmar sua decisão de refugiar-se e sair da vida política ou para mudar de ideia e ser candidato. Preferiu abdicar. Não será mais candidato.

       Segundo informações, o nome de Wagner Cordeiro não foi incluso na lista de 23 candidatos do Republicanos para as eleições de 2020. As atas, inclusive, já foram enviadas ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) com o número completo de candidatos. Ou seja, oficialmente, pelo Republicanos, Wagner Cordeiro não pode ser mais candidato.

ÓPERA

       Na ópera de Wilhelm Richard Wagner, Tristão é enganado e morre esperando a vinda de Isolda, achando que ela não viria para curar suas feridas. Isolda, ao saber do ferimento de lança que acomete Tristão, de fato vai ao encontro dele, mas ao deparar-se com ele morto, morre de tristeza.

       Na vida real, por atividades políticas, em 1849, o compositor Wagner vê-se perseguido e é obrigado a refugiar-se. Depois foge para Zurique onde nascem os embriões da ópera-lenda Tristão e Isolda.

       Realidade e a obra do compositor Wagner se misturam. Na lenda, Tristão termina banido do reino.

       Na vida real, o compositor alemão Wagner, depois de percorrer vários países, morreu em Veneza, na Itália, em 13 de fevereiro de 1883.

E PESQUEIRA?

       Em Pesqueira, o triunvirato (não de três governantes Romanos) da trajetória de Wagner Cordeiro se dá em pontos marcantes.

       1) Sua eleição com expressiva votação e logo em seguida assumindo a presidência da Câmara. Foi marcante, porque, com habilidade política e com a ajuda do grupo político, conseguiu “amassar” as chances de Paulo Campos ser presidente.

       O rompimento de Paulo Campos começou nesse fato.

2) Wagner surpreende a todos e consegue se reeleger para o segundo biênio da Casa com maestria.

3) Sem ninguém entender, nos dias que antecediam as convenções, Wagner decidiu abdicar da vida pública e anuncia que “não será mais candidato” e “adotará uma postura de neutralidade na eleição majoritária”.

        Os atos da ópera do compositor alemão Wagner (Tristão e Isolda) se resumem a três. Resta saber se a participação de Wagner Cordeiro na “ópera da política Pesqueira” terá um quarto ato. O que você acha?